22 de ago de 2011


As Jovens Almas Mortas


As Jovens Almas Mortas 
Por: Emanuelle Nicoly Gomes

Os campos floridos, a magia da nova estação,
Aquelas antigas emoções voltando, 
Explodindo como canhões na guerra.
Aquelas ruas vazias agora cheias de alegria,
A trizeza das antigas Eras jogadas naquele velho poço.
É uma surpresa encontrar você de novo...
Aquelas passagens eu não usei, queria apenas devolve-las
De alguma forma, eu não sei o que aconteceu,
Acho que me perdi no caminho entre o seu mundo e o meu.
As batidas do sino para lembrar aqueles mortos
Esquecidos naqueles paredes sangrentas, onde eu te perdi...
Nem o tempo pode curar essas feridas abertas em meu coração.
As vezes penso estar vivendo uma mentira, 
Meu lugar é com você, mas fui tão covarde...
Lembro-me do gosto da liberdade 
Que você me obrigou a provar...
E como seria se nunca houvessem acontecido
Aquelas lembranças amargas da dor...
Faz tanto tempo, e poucos se importam agora.
Perdida entre os escombros do meu proprio desmonoramento
Procurando soluções para problemas já resolvidos
Vivendo de lamentos e lembranças do que nunca aconteceu
Só queria que soubesse que eu não me esqueci
Meus olhos nunca pararam de chorar por ti, 
E agora partindo, preciso dizer a todos como me sinto
Mesmo que isso chegue a poucos, 
Mas que cheguem a seu destino, 
Que cumpra um proposito de avisar as novas almas
Para não deixarem ir aqueles que queremos
Os momentos perfeitos que pareciam não ser nada
Essas mãos não são minhas, esse coração não é meu
Eu estou indo embora agora,
Minha alma limpa, minha bagagem vazia, estou bem
Apenas eu...


13 de ago de 2011

Noite de Inverno


Era inverno, meu coração como um iceberg num oceano agitado
Ondas de emoções diferentes chocando-se uma contra as outras
Sem me importar com nada, segui sem olhar para onde ia.
Era inverno e o frio dominava minha alma
tão sozinha com todas essas pessoas ao meu redor
O grito preso em minha garganta, não consegue passar pela tempestade.
Era inverno e eu estava cada vez mais longe de mim mesma
Aquilo que eu disse sobre nós... Bem, nunca houve um nós...
Talvez eu estivesse maluca, por isso estou lembrando agora
Era inverno quando aconteceu,
Apenas um olhar e virou verão, primavera, outono novamente
Como se nos conhecesemos desde sempre...
Era inverno, e eu com medo, perdi a luz daqueles olhos azuis
Pode me chamar de boba, o tempo passou
E mesmo agora, anos depois eu ainda sinto a corrente historica que nos liga...
E em cada inverno eu te espero no mesmo lugar....

Foi em um São João na minha cidade, no ano de 2004. Nunca esqueci aqueles olhos.

3 de ago de 2011

Cada pessoa perdida em seu próprio mundo achando que seus problemas são maiores"