17 de jan de 2012

Noite Fria de Inverno


Noite Fria de Inverno
                                              Por Emanuelle Nicoly Gomes                 

Tudo começou numa noite fria de inverno. Ao soar do sino da igreja. Ao clarão do trovão. E ao bater do meu coração, nossos olhos olhando para a mesma direção: Observando a escuridão.
Era a morte por fora e uma banda de rock por dentro. Era dor e lamento. Era a vida querendo ser vivida.
Não sei bem o que aconteceu. Sei que seus olhos fixaram-se aos meus. O silêncio ainda reinava nas ruas sem destino.
Era o belo e o ruim. Era o nada e o tudo. Era o ser sem ser.
O vento que levava o meu cabelo me fazia arrepiar. Ainda no vazio sombrio daquela fria noite de inverno onde o silêncio mandava e desmandava.
Era eu. Era outro. Era outro ser dentro de mim, que me fazia agir assim.
Outro trovão. O rock ainda tocava. Quando do silêncio e dos olhares fez-se o beijo. O mais demorado e caloroso dos beijos.
Já não era tão sombria a noite.
O sino tornara a soar. E de repente nos separar. Cada um em seu lugar.
Tudo terminou naquela mesma noite fria de inverno. Ao soar do sino da igreja. Ao clarão do trovão. E ao bater do meu coração...

15/09/08
23:08

Nenhum comentário:

Postar um comentário